Category Archives: Histórias de camisolas

Vida de coleccionador

Vida de coleccionador às vezes é assim mesmo. Compramos uma camisola que parece fantástica, e só depois descobrimos que final não é. Por exemplo esta camisola de guarda-redes dos anos 1980, de marca Uhlsport.

Comprei achando que era de jogo, dos juniores. Passei uma tarde nos arquivos do Jornal Sporting à procura de fotos, encontrei camisolas muito parecidas mas não esta exactamente igual. Era normal, porque os jogos dos juniores nem sempre eram fotografados, e os guarda-redes muito menos. E foram usados muitos modelos de Uhlsport, na altura a melhor marca de equipamentos de guarda-redes, e era o que o Sporting normalmente usava (mas nem sempre, cada guarda-redes geralmente escolhia o que preferia. O Damas chegou a confeccionar as suas próprias camisolas).

Passaram-se bastantes anos, e neste momento estou convencido que não é camisola de jogo. E a razão é simples: o emblema. Este é um tipo de emblema que só apareceu depois, já no início dos anos 1990. Nos anos 1980 os emblemas eram diferentes.

E pronto, assim fico: uma camisola de jogo a menos. Mas o verdebranco é para ser o mais correcto que for capaz. E vida de coleccionador é assim mesmo. às vezes encontra-se ouro, e às vezes o que parecia ouro é latão.

A turma de verde/verde

Já há muitos anos que apareceu o buraco verde nas costas das camisolas. Antes, no antigamente, havia um número preto, em feltro ou em pano, por cima das listas. depois, para se ver melhor começaram a ter um quadrado de pano branco por cima do qual coziam o número. O quadrado era o mais pequeno possível!

Com a Adidas o pano foi substituído por uma interrupção das listas, o mais pequena possível para meter o número.

Foi com a Reebok que apareceu o buraco mesmo buraco: foi em 2004/05, e era um buraco branco, enorme.

No ano do Centenário não houve buraco, tivemos camisolas praticamente perfeitas.

Com a Puma, o buraco instalou-se de forma quase definitiva, em verde, enorme. Com listas interrompidas, em geral apenas com uma ou duas listas no fundo das costas. Muito feio, tal como quando a Reebok o fez, mas pelo menos o Sporting em diversas épocas vendeu camisolas listadas puras. Nem sempre, mas muitas vezes.

Em 2011/12 e 2012/13, nas competições nacionais as camisolas foram de novo perfeitas, listadas puras. Na Europa a UEFA não deixa (há filhos e enteados), e lá havia o buraco. A verdade é que com o número negro modelo da Liga em cima das listas, via-se mal. à distância no estádio, ou na TV, não se via nada. Mas eram lindas.

No último ano da Puma voltou o buraco verde, com duas listas no fundo. Mas havia uma versão listada pura à venda, a camisola comemorativa da Taça das Taças.

Este ano, com a Macron, temos um buraco verde puro, que, tal como os buracos negros engolem toda a uz, este engole todo o branco. Não há lista nenhuma, são mesmo costas totalmente lisas. Nunca antes tivemos isto.

E não, não gostamos, nem eu nem ninguém, à parte provavelmente da UEFA. Aliás, com os calções verdes, já faltou mais para equiparmos com cor única – totalmente de verde, sem listas. Passaremos a ser “a turma de verde/verde”.

Quando achamos que a colecção está completa, aparecem cromos novos!

Pois é, o Sporting fez esta gracinha, e agora andam por aí camisolas destas, completamente únicas! Claro, estão nas mãos dos felizes sócios (sei quem ficou com a do Slimani!). Mas a questão é que os jogadores titulares em geral mudam de camisola ao intervalo… o que quer dizer que deve haver duas de cada. Dos titulares, a tal segunda camisola serão camisolas de jogo. Dos suplentes, que em princípio não mudam de roupa ao itnervalo, serão player issue.

A falar com amigos coleccionadores de camisolas do Sporting, dizem-me que para eles as camisolas só têm valor para os próprios sócios, e que não fazem questão de ter uma camisola destas. Eu não sei bem, só sei que será preciso muito cuidado, para ter a certeza se é de jogo, player issue, ou outra coisa qualquer!  Uma certeza tenho: camisolas do Sporting, gosto de todas!

camisolas-Sporting-nomes-dos-socios

O primeiro patrocínio: Gaz Cidla, 1965

Já uma vez disse que a primeira publicidade em camisolas de futebol do Sporting tinha sido num torneio em França em 1975. Mas esse não foi o primeiro patrocínio em camisolas do Sporting! 10 anos antes já tinham começado os patrocínios, no ciclismo como é natural, visto ser uma modalidade brutalmente cara (só o que se gasta em médicos!), e onde não se cobra bilhete!

Pois aqui está, tanto quanto sei o primeiro patrocínio do Sporting foi este, da Gaz Cidla à nossa equipa que competiu na Volta a Portugal em Bicicleta de 1965!

ciclismo-gaz-cidla-1965

Nos anos 1920: Stromp?

O mito diz que a partir de 1908 usámos as camisolas Stromp, e que depois em 1926 vieram as listadas para o rugby, e depois em 1928 para o futebol. É mito. Isso de “Stromp” foi inventado nos anos 1990. E entre 1908 e 1928 usámos muitas vezes, no futebol e outras modalidades, camisolas que não eram bipartidas. Camisolas completamente verdes foram comuns, como aqui se mostra em 1926. SCP-1926 1 SCP-1926 2

O Sporting por dentro – em 1927

Descobri uma deliciosa reportagem que vem num Boletim do Sporting de 1927, sobre os trabalhos feitos dentro do Clube. Tem imensa coisa, como esta frase:

“Todos conhecem aqueles aparelhos automaticos, em que se mete um vintem por um lado, e sahe um chocolate por outro. Foi talvez daí, que um americano celebre, copiou a não menos celebre maquina em que metendo-se de um lado um porco, do outro lado sahe um chouriço.

Com o boletim do Sporting, sucede quasi coisa identica. De uma lado mete-se o Salazar Carreira, do outro sahe o boletim.”

Mas aqui mostro as partes que têm a ver com equipamentos. Primeiro, esta foto das botas dos jogadores a secar ao sol.botas-roupeiro-1927E depois, os equipamentos a serem lavados… o que eu não daria por ter esta pilha de roupa suja, meias e tudo!equipamentos-Sporting-1927E dando crédito, os autores do artigo foram Ruy da Cunha e Salazar Diniz!Sporting-por-dentro

As primeiras camisolas listadas

Já contei no verdebranco a história da verdadeira estreia das camisolas listadas no futebol, que foi em Novembro de 1927. O Sporting Canal também já mostrou que o nosso basquetebol também usou camisolas listadas em Novembro de 1927.

Como toda a gente sabe, as camisolas listadas verde brancas foram introduzidas no Sporting por Salazar Carreira em “finais de 1926″, como diz o site oficial. Mas e fotos dessas primeiras camisolas? Vamos mostrar aqui, retiradas do Boletim do Sporting de Dezembro de 1926, editado em 20 de Janeiro de 1927.

Como podem ver, as primeiras camisolas listadas não tinham emblema.Boletim Sporting 20 Janeiro 1927 aNesta foto, já se vê que algumas já tinham o emblema, que deve então ter sido colocado a posteriori. E vê-se também que há emblemas diferentes uns dos outros.Boletim Sporting 20 Janeiro 1927 bBoletim Sporting 20 Janeiro 1927 c

Sporting na Moda – Fátima Lopes

Era o tempo em que o Sporting ligava muito à moda, com apresentações dos novos equipamentos feitas em passagens de modelos. O Sporting e a estilista Fátima Lopes assinaram um contrato de parceria para concepção da indumentária de saída da equipa profissional de futebol para a época 2006/07.

Filipe Soares Franco, então presidente do Sporting, disse que “este contrato é sinal de modernidade. É uma grande honra assinar este contrato com a Fátima Lopes, uma estilista reconhecida mundialmente. A Fátima Lopes é uma das grandes estilistas portuguesas. Este acordo permite dar um toque de modernidade e não podia haver melhor associação do que esta. O Sporting quer estar na moda.”

O Verdebranco comenta: pois ainda bem que o Sporting hoje em dia não quer estar na moda, mas sim quer ser um dos maiores Clubes do mundo, seguindo fielmente o legado dos nossos Fundadores.Sporting-na-moda-2006-Fatima-Lopes